domingo, 20 de março de 2011

Um panorama da acessibilidade em São Paulo: a cidade atende as necessidades das pessoas com deficiências? Matéria prodizida pela Revista IN

Pela inclusão
Após o acidente, Tânia conheceu e passou a fazer parte do Movimento Inclusão Já, do qual hoje é primeira secretária. O objetivo do grupo, criado em janeiro de 2004, é buscar os direitos das pessoas com deficiência, além de melhorias para a sociedade de forma geral.

“O movimento surgiu basicamente das necessidades dessas pessoas. Lá fui formando guerreiros, pais e mães de pessoas com deficiência, ensinando os indivíduos a levantarem suas cabeças, partirem para a luta e praticarem cidadania, a fim de buscarem seus direitos”, explica o presidente do grupo, Valdir Timóteo.

Timóteo é cadeirante. Ele sofreu uma lesão medular de nível T6 e T7 após um acidente de carro em novembro de 2000 e ficou paraplégico.

Quatro anos depois do ocorrido, quando já estava fazendo a reabilitação, surgia o grupo: “Posso afirmar que o Movimento Inclusão Já nasceu do descaso que o poder público sempre teve com as pessoas que tem alguma deficiência, da nossa revolta contra os maus tratos recebidos dele e de grande parte da sociedade e também da falta de acessibilidade e de prestação de serviços públicos voltados ao segmento dos indivíduos com deficiência e mobilidade reduzida”, ressalta ele.

Uma das atividades realizadas pelo movimento é organizar passeios e eventos para que os participantes possam viver momentos de lazer e também compartilhar experiências. “Uma das nossas atividades principais é tirar pessoas com deficiência das suas ‘prisões’ domiciliares para eventos em parques e atividades culturais e mostrar a elas e a seus familiares que existe vida além das quatro paredes de seus quartos. Nosso trabalho é trazê-los para o convívio social”, conta Timóteo.

“Tem muitas pessoas que, na vida, só saíram para passear acompanhadas de membros do Movimento”, acrescenta Tânia.


Um panorama da acessibilidade em São Paulo: a cidade atende as necessidades das pessoas com deficiências?
Data: 14/03/2011

No meio do caminho tinha uma pedra. Tinha uma pedra no meio do caminho.” Este trecho do famoso poema de Carlos Drummond de Andrade pode muito bem refletir os problemas da acessibilidade na metrópole paulista.

Não apenas para cadeirantes e pessoas com mobilidade reduzida, como também para cidadãos com deficiência visual, idosos e gestantes, a cidade conta com obstáculos que impedem a circulação tranquila e sem riscos.

Basta olhar para baixo. Às vezes esburacadas, outras vezes com a presença de impedimentos e em alguns casos até inexistentes, as calçadas ainda precisam de muitas reformas para oferecerem livre acesso à população.



Tânia Ieda Medeiros Vale, 47, que o diga. Após sofrer um acidente de carro em fevereiro de 2008 ela tenta se adaptar sobre rodas. Os desníveis, os buracos e a falta de rampas nas calçadas, porém, têm afastado a paulistana das ruas. “É muito difícil sair de casa. Eu preciso de um acompanhante para me ajudar, pois subir degraus com a cadeira para mim é impossível”, relata. Moradora do Tatuapé, Tânia passou a fazer compras pelo telefone e a sair apenas em casos estritamente necessários, como quando vai às sessões de reabilitação e fisioterapia. Nessas situações, acaba contratando uma acompanhante para auxiliá-la.


Calçadas em ordem
Mas, afinal, de quem é a responsabilidade pela manutenção das calçadas? De acordo com a Prefeitura de São Paulo, “o proprietário do imóvel, seja comercial ou residencial, é responsável pela conservação, manutenção e reforma da calçada em frente ao seu imóvel. Sendo que aquelas em situação irregular ou precária são passíveis de multa”.

Apesar da polêmica que essa resolução gera, cabe a todos os cidadãos a conservação e a manutenção do passeio público em frente a sua residência. Antes de realizar qualquer reforma ou melhoria, porém, a recomendação do órgão público é que se entre em contato com a Subprefeitura da região. É importante lembrar que para plantar uma árvore ou instalar algum objeto na calçada o procedimento deve ser o mesmo.




Além dessa interação social, outro foco do grupo é trabalhar em favor de medidas práticas, cobrando do poder público o respeito às leis de inclusão e o investimento em estruturas de acessibilidade.

Um dos projetos é o “Mutirão da inclusão através de emendas”, que sugere o direcionamento de parcelas da Emenda Parlamentar dos políticos para propostas de inclusão social e acessibilidade. A emenda é a verba que os vereadores, deputados e senadores têm direito para que destinem à iniciativas e melhorias de interesse público.

Para isso, Timóteo e sua esposa, Francisca Lucineide da Silva Leite, constantemente visitam a Câmara Municipal de São Paulo. Em uma dessas ocasiões, a equipe da Revista IN acompanhou-os, com o objetivo de analisar as estruturas de acessibilidade da cidade. Confira o trajeto.

11h42: Início do trajeto
Para sair da casa de Valdir, em Itaquera, e pegar o ônibus é preciso descer uma rua íngreme. Durante o percurso, é necessário seguir com a cadeira pela rua. As calçadas não possuem acessibilidade.

11h52: Transporte público
Ao chegar ao ponto de ônibus, outra surpresa: sem qualquer cobertura, a única indicação é a de uma viga de madeira. No local, a calçada também não possui rampas. Para Valdir subir, precisou de ajuda da equipe.

11h59: Chegada do veículo
Após sete minutos de espera, passou um ônibus adaptado com destino ao Metrô. Além do espaço reservado a pessoas com deficiência, também possuía elevador para subir a cadeira de rodas.

12h05: Embarque
Devido à falta de acessibilidade da calçada, porém, o embarque foi difícil e levou mais alguns minutos.

12h41: No Metrô
Na estação Itaquera, o elevador levou Timóteo ao andar do embarque. As dimensões reduzidas da instalação, no entanto, não permitem aos cadeirantes virarem a cadeira. Ou seja, se entram de frente irão sair de costas e vice-versa. Para embarcar no vagão do Metrô foi necessária ajuda, devido ao vão entre a plataforma e o trem e ao desnível entre as estruturas.

13h08: Desembarque
Foi feito na estação Sé, onde Timóteo também teve acesso ao elevador e enfrentou o mesmo problema de espaço.

13h45: Chegada
Para chegar à Câmara, o percurso foi feito a pé. Em função das irregularidades da calçada e da inclinação de deteminados locais, ele teve de contar com uma pessoa para auxiliá-lo segurando a cadeira.

Com a boca no trombone
Sobre a acessibilidade da cidade, Timóteo analisa: “Chegar a um ponto de ônibus sozinho é impraticável. Pouquíssimas pessoas com deficiência conseguem superar as ruas e calçadas totalmente irregulares. Grande parte dos pontos nos bairros são estacas pintadas e fincadas no chão, sem cobertura para nos proteger do sol ou da chuva. Sem contar que não existem rampas para acessar esses locais.”


Atende?
Um dos programas municipais de transporte público das pessoas com deficiência é o Serviço de Atendimento Especial, o Atende. Criado por decreto em maio de 1996, trata-se de uma modalidade gratuita de transporte porta a porta, destinada a indivíduos deficientes com alto grau de severidade e dependência, oferecido pela Prefeitura de São Paulo.

No dia 6 de agosto de 2001, entretanto, em uma audiência pública ficou decidido que o serviço não atenderia mais casos de consultas e exames. Desde então, o atendimento só ocorre nas situações em que há planejamento de viagens. A justificativa para isso era o atendimento de um maior número de pessoas.

Para Timóteo, porém, essa decisão é excludente e discriminatória. “Essa mudança acaba excluindo muita gente e afeta especialmente os mais pobres, que não têm condições para pagar um táxi e deixam inclusive de fazer parte da triagem para começarem um tratamento”, declara.

Nenhum comentário:

Vamos exercer a nossa cidadania e eliminar os maus políticos da vida publica, ESSE PODER É NOSSO

Somos 45 milhões de brasileiros cidadãos e cidadãs com algum tipo de deficiência sem ter nossos direitos respeitados. Quem esta preocupado e trabalhando de verdade por essa população? Até Quando vão continuar nos ignorando? Para que servem as Leis Federais se os próprios governos as desrespeitam? Porque o Decreto 5.296 de 2004 não foi e não é cumprido? Senhores mandatários do poder hoje nós somos os abandonados amanhã pode ser os senhores!!!! Vamos exercer a nossa cidadania e eliminar os maus políticos da vida publica, ESSE PODER É NOSSO

Postagens populares

Movimento Inclusão Já

Loading...