quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

No bairro da Copa as calçadas são para “inglês ver” Jornal Fato Paulista - edição 208 matéria com Valdir Timóteo.



Terça, 25 Fevereiro 2014 13:42
No bairro da Copa as calçadas são para “inglês ver” - edição 208 Destaque  Escrito por  Da Redação


No centro do bairro que vai sediar a abertura da Copa do Mundo: Itaquera, diversas calçadas estão sendo edificadas com os chamados bloquetes intertravados, espécie de tijolo ecológico que  supostamente permite maior vazão das águas das chuvas e em meio a obra não faltam polêmicas, entre elas: comerciantes contemplados com as calçadas e outros não, falta de acessibilidade em desacordo com a Lei das Calçadas e até o suposto não pagamento de operários  da obra, que simplesmente abandonaram o serviço, como informou um integrante do Partido dos Trabalhadores que pediu o anonimato.

Piso tátil (para deficientes visuais) colocados em desacordo e já despregando da calçada, verdadeiras ladeiras que impossibilitam acesso até mesmo daqueles que não sejam cadeirantes, guias no fim da faixa de pedestres, um gigante canteiro que não permite o acesso de cadeiras de rodas e tampouco carrinho de bebê e diversas histórias de pessoas que tropeçaram e se acidentaram em meio ao desleixo da obra realizada pela imponente Ematec Engenharia e Sistemas de Manutenção Ltda construtora licitada pela Prefeitura paulistana. Tudo isso foi verificado em menos de cem metros de calçadas no centro de Itaquera, em uma visita ao local por quem vive o drama da falta de acessibilidade, Valdir Timóteo, líder do Movimento Inclusão Já.
O trecho visitado por Valdir Timóteo e pela reportagem do Fato Paulista compreende as ruas Ignácio Alves de Matos, Ken Sugaya e Américo Salvador Noveli. Isso mesmo! Um simples quarteirão e com tantos problemas na obra orçada em R$ 299.942,88, com recursos oriundos através de emenda orçamentária. Vale destacar que o valor total da emenda é de R$ 839.007,62 contemplando mais dois trechos do centro de Itaquera: avenida Campanella entre a avenida Nova Radial e rua Alexandre M Moraes e outro trecho que compreende também as ruas Ken Sugaya e Américo Salvador Novelli mais a rua Heitor.

Um dos trechos visitado por Valdir Timóteo é a esquina das ruas Ignácio Alves de Matos com Ken Sugaya onde não existe nenhuma possibilidade de acessibilidade. “A calçada deve acompanhar a guia, aqui na rua Ignácio Alves de Matos, eles deveriam ter rebaixado a rua, fizeram o asfalto novo e porque não modificaram e fizeram certo. Aqui não tem condições nenhuma de descer, nem deficiente físico, nem idoso, qualquer pessoa pode cair aqui”, explicou.

Em frente a farmácia de manipulação na rua Ken Sugaya, o lider do Inclusão Já também apontou erros como a instalação do piso tátil. “Se o deficiente visual seguir pelo piso tátil bate no poste que está a frente, aliás, o piso tátil deveria estar em todo o passeio e não em pequenos trechos”, comentou e completa: “A calçada deve ter 1,20 de largura livre sem ondulação, por exemplo, aqui em frente ao 99, é inviável, a altura da ondulação que fizeram, eles privilegiaram a entrada do carro, e não o pedestre e a acessibilidade”.
No pequeno trecho onde foram gastos cerca de R$ 300 mil, Valdir Timóteo apontou mais pontos onde a cadeira de rodas pode tombar. “Tem muitos locais aqui que deveriam refazer e respeitar a acessibilidade”, explicou.
Já na frente ao fast-food localizada na esquina da Ken Sugaya com Victório Santin, mais problemas, já que a calçada recém feita está toda danificada e segundo Valdir constatou é totalmente inviável descer com a cadeira de rodas. Do outro lado da rua, tem uma árvore na calçada, que é impossível passar qualquer pedestre e ainda mais um cadeirante.

Quem vai pagar a conta?
De acordo com a Prefeitura Municipal de São Paulo o Programa de Recuperação de Calçadas prevê a padronização e a acessibilidade dos passeios em toda a cidade, as calçadas dos imóveis particulares também devem ser reformadas. Ainda segundo a PMSP “o proprietário do imóvel, comercial ou residencial, é responsável pela conservação, manutenção e reforma da sua calçada. Calçadas em situação irregular ou em mau estado de conservação são passíveis de multa” .
Em 2013, a Prefeitura sancionou uma nova legislação sobre calçadas. As regras estabelecem que a responsabilidade pela construção, conservação, reforma e manutenção das calçadas, que antes era apenas do proprietário do imóvel, cabe também ao usuário (locatário) do local, seja ele comercial ou residencial.
Alardeado como o “grande mentor” das novas calçadas em Itaquera, o subprefeito Guilherme Henrique de Paula em textos divulgados pela assessoria do vereador Paulo Frange, tem agora um grande desafio pela frente – ao menos se continuar no cargo -. O grande desafio vai ser explicar para os comerciantes que não foram contemplados com as calçadas o motivo da diferenciação. “Perguntei a eles (operários da obra) por que a calçada não vinha até o meu comércio e eles disseram que era direto com o encarregado”, comentou um comerciante localizado no centro de Itaquera. Neste dia a reportagem do Fato Paulista esteve no local e conversou com os operários que afirmaram que não trabalhavam para a Ematec Sistemas e sim eram sub-empreitados e vieram do município de Diadema. Vale destacar que neste dia os funcionários não trabalhavam uniformizados.
Ainda segundo um integrante do Partido dos Trabalhadores – que pediu o anonimato – os operários sub-empreitados abandonaram a obra por “não estarem recebendo”.

Questões a serem respondidas
1) Se de acordo com a própria PMSP as calçadas são de responsabilidade dos proprietários dos imóveis, quem vai pagar as calçadas que estão sendo feitas com recursos públicos?
2) Empreiteira licitada pela PMSP pode sub-empreitar obra?
3) Como empreiteira que – supostamente – não possui mão de obra própria pode ganhar licitação na Subprefeitura de Itaquera?
4) Porque foi realizada uma obra de calçada com dinheiro público se de acordo com a Lei cada proprietário de imóvel é responsável pela execução e manutenção da própria calçada?

Nenhum comentário:

Vamos exercer a nossa cidadania e eliminar os maus políticos da vida publica, ESSE PODER É NOSSO

Somos 45 milhões de brasileiros cidadãos e cidadãs com algum tipo de deficiência sem ter nossos direitos respeitados. Quem esta preocupado e trabalhando de verdade por essa população? Até Quando vão continuar nos ignorando? Para que servem as Leis Federais se os próprios governos as desrespeitam? Porque o Decreto 5.296 de 2004 não foi e não é cumprido? Senhores mandatários do poder hoje nós somos os abandonados amanhã pode ser os senhores!!!! Vamos exercer a nossa cidadania e eliminar os maus políticos da vida publica, ESSE PODER É NOSSO

Postagens populares

Movimento Inclusão Já

Loading...